segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Cheirinho de Sebo - O Diário de Anne Frank

Um dia desses, lendo meus feeds no Bloglovin, me deparei com a lista de todos os livros que a Rory Gilmore havia lido ao longo do seriado. Animada, resolvi contabilizar em quantos deles eu já havia mergulhado e a frustração foi completa: eram menos de 10 dentre os quase 340. E o pior é que a maioria dos títulos da lista são clássicos daqueles que eu sei que deveria ter lido!

Conversando com o Lucas (que leu mais do que eu, mas não passou dos 20), unimos nossas vergonhas e resolvemos criar um clube do livro! Legal, né? Chamamos alguns amigos que pensamos que também se empolgariam e, via sorteio, o Lucas foi o primeiro a escolher o 'livro da vez'.

Ele optou pel'O Diário de Anne Frank. Eu já havia lido 'O Diário de Zlata', que conta a história de uma adolescente sobrevivente da guerra da Bósnia de maneira cativante, então fiquei duplamente animada!


Para quem não sabe, o diário é fiel aos escritos de Anne Frank, cuja família era alemã e já havia se mudado para Amsterdam para escapar do nazismo. Quando Margot, a filha mais velha de Otto Frank, foi convocada a um campo de trabalho, ele achou era o momento de contar com a ajuda de seus amigos não-judeus e viver 'mergulhado' (escondido). Anne tinha somente 13 anos quando teve que deixar para trás sua escola, seus amigos, sua casa e, principalmente, sua infância.


Eles passaram dois anos no 'Anexo' e durante muito tempo se duvidou que aquelas palavras tão profundas poderiam pertencer a uma adolescente, mas em 1980 o diário foi comprovado autêntico.

Mesmo achando que a tipografia poderia ser de caligrafia (aumentando a sensação de se estar lendo um diário) e que Zlata conseguiu me atingir mais, recomendo a leitura para todos. É um verdadeiro aprendizado.


Agora o próximo passo será ler o Vozes Roubadas!