quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Tóquio Proibida - Jake Adelstein

Quando se mudou para o Japão, aos dezenove anos, Jake Adelstein buscava tranquilidade em um templo budista. Seu destino foi outro: repórter inexperiente que mal dominava o idioma do país, acabou sendo o primeiro jornalista estrangeiro contratado por um grande jornal japonês. No caderno de polícia, ganhou acesso a um mundo desconhecido do Ocidente e até dos próprios japoneses.

Acho que o meu tipo de livro preferido é o jornalístico. Ele nos mostra facetas diferentes da sociedade, história incríveis e, ao mesmo tempo, reais e pode ensinar muito sobre períodos históricos diversos. Quando bem escrito é uma leitura express infalível. "Tóquio Proibida" é desses. E ainda mistura máfia e japão, eu tinha que ler!

Jake Adelstein é um workaholic. Mas no Japão, quem não é? Para sobreviver e prosperar sendo o primeiro jornalista estrangeiro contratado pelo maior jornal impresso do Japão, ele teve que se adaptar a um mundo com regras completamente diferentes das nossas. E o mais legal desse livro é o fato de que nós vamos, aos poucos, entendendo como funciona essa sociedade de olhos puxados (pelo menos para os jornalistas), onde se deve cuidar com muito carinho dos cartões de visita e manter boas relações com policiais a fim de conseguir um furo (inclusive levando presentes para a família).

Olha o cara aí!
O estilo de escrita me pegou pela mão e me mostrou com detalhes tudo o que eu precisava saber para acompanhar o desenrolar sensacional dos acontecimentos relacionados à Yakuza. É possível sentir os doze anos vividos por Jake no Japão, e não importa o quão presente o submundo de Tóquio estivesse na vida do americano, as bizarrices nipônicas são... Bizarras! Os ladrões de calcinhas usadas são tão reais quanto os manuais de suicídio.

É um livro que eu recomendo muito. Aproveita pra ler logo, porque parece que lá pra 2015 ou 2016 vai virar filme. E com ninguém menos do que o Harry Potter no papel principal.