terça-feira, 11 de novembro de 2014

Pipoca na Panela - Interstellar, arrumando confusões universo afora

Ontem Renata e eu vimos Interstellar, o novo filme do Nolan. Achei demais!
Eu já tinha ficado eufórico com o trailer e fiz questão de assistir em IMAX. Uma pena que ele não tenha sido filmado em 3D, seria um plus.


Pra começar, qual é a do Matthew McConaughey? Até ontem ele era um atorzinho mequetrefe que se esbaldava fazendo comédias românticas e filmes de ação de terceira. De repente, do nada, o cara acordou e falou: "Cansei, vou ser um bom ator." E emplacou vários filmes excelentes, sempre com boas atuações.

A ambientação da Terra distópica é sensacional. Você realmente acha que as pessoas vivem em poeira de cocô. As cenas do espaço são emocionantes e visualmente espetaculares. E o mais impressionante? Não foram feitas em chroma key, a famosa tela verde.

Mas não, ele não é perfeito. Na verdade tiveram algumas coisas na dramaturgia que me incomodaram bastante e me pareceram fugir do aspecto geral do filme, mas ainda assim é uma obra fantástica.


E para que a sua experiência com esse filmaço não seja prejudicada tenho alguns conselhos:

1º) Abandone as comparações bobas que estão fazendo com "Gravidade" e "2001". Os três são filmes de ficção científica (o Gravidade nem tanto) e se passam no espaço, mas as semelhanças param por aí. Sim, tem algumas referências ao filme do Kubrick, mas são só isso, referências e homenagens.

2º) Exercite a sua capacidade de abstração. A trama trabalha com muitos conceitos físicos abstratos de difícil entendimento pra nós, reles mortais (uma das melhores cenas do filme é calcada na Teoria da Relatividade). Você pode ficar um pouco perdido. 

3º) Pague um pouco mais e veja em IMAX, se puder, a experiência é completamente diferente. Não é novidade pra ninguém que o áudio da maioria das salas de cinema no Brasil é muito ruim. O design de som desse filme faz a diferença MESMO, não deixe que um Kinoplex da vida estrague isso!